terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Juntando os trapinhos

Ambos já tinham 21 anos, ele cansado da autoridade excessiva do pai ela sem nenhuma perspectiva de futuro decidiram então depois de alguns dias morarem juntos contrariando toda a familia que não aceitava que Adjemir morasse com uma mâe solteira.
Ele tinha apenas o pequeno salário de policial e procurando um amigo alugou um quarto com banheiro e tinham ali uma cama de casal e um fogareiro de querosene mais para os dois era um palácio e todas as noites quando ele voltava do quartel trazia uma garrafa de malzibeer e um sorriso mostrando o dente de ouro que tinha na bôca.
Registrou Verinha como filha e a chamava carinhosamente de menina do papai.
No primeiro dia foram obrigados a trocar o colchão após diversas mordidas de percevejos que ali habitavam e um ano e meio depois nascia Marlene a primeira filha dos dois de mais seis que nasceriam depois.

Nenhum comentário:

Postar um comentário